A maçã “doente”

A professora de Ciências começou por conversar connosco sobre a aula passada, ou seja, sobre os hábitos para sermos saudáveis e a importância da higiene pessoal. Depois, colocou-nos algumas questões:

Onde podem estar os micróbios?

Na terra, no chão, na água, nos objetos contaminados, em animais e pessoas…portanto, em todo o lado.

Como infetam o nosso corpo? Como entram?

  • Inalação de partículas contaminadas, por exemplo através tosse, espirro;
  • Correntes de ar;
  • Objetos contaminados;
  • Ingestão de água e alimentos contaminados;
  • Insetos

Houve algum menino/a que esteve doente e os outros elementos da família também ficaram doentes ou outros alunos da turma?

Cada aluno teve oportunidade de contar algum episódio, relacionado com doenças contagiosas que afetaram a família ou os colegas.

Há algumas doenças que são contagiosas. Para nos protegermos desses microrganismos que podem causar doenças temos de cumprir as regras de higiene.

 

Depois, prosseguimos com a experiência:

”Como é que uma maça pode ficar doente?”

Material:img_6019

  • 3 macãs (2 saudáveis e uma podre);
  • palito;
  • caixa de plástico com tampa;
  • caneta de acetato.

Procedimento:

  1. Identificar a maçã podre com a letra A e as outras com as letras B e C.
  2. Espetar o palito na parte podre da maçã A.
  3. Tirar o palito da mação A e espeta-lo na maçã B.
  4. Colocar as 3 maçãs na caixa, afastadas, de modo que não toquem umas nas outras.

Previsão:

Ver as fotos.

Observações:

A maçã A continuou a apodrecer, a mancha castanha tornou-se maior. A maçã B também ficou doente, com uma mancha castanha e a maçã C continuou saudável.

img_6088-600-x-450

Conclusão:

A maçã B ficou doente porque foi contaminada com os micróbios da maçã doente.

Tal como a maçã “doente” passou a doença para a maçã saudável, também as pessoas podem transmitir doenças umas às outras, através de partículas de tosse, espirros, partilha de objetos contaminados, ingestão de alimentos crus não lavados ou de água contaminada e comer com as mãos sujas.

 

De seguida,vimos uma apresentação sobre os símbolos de perigo presentes nos rótulos dos produtos químicos e que nos alertam para os cuidados a ter.

A professora trouxe alguns produtos que podem estar presentes no nosso dia-a-dia, estivemos atentos aos símbolos neles existentes!

No final, visualizamos um pequeno filme que retratava o assunto da aula.

Aprendemos de uma forma engraçada os cuidados que devemos ter.

Adoramos esta aula!!

 

Este slideshow necessita de JavaScript.

Conheces os símbolos de perigo e o seu significado? Sabes qual o equipamento de proteção individual que deves usar em cada situação?

Se a resposta é negativa, dá uma espreitadela no link abaixo e no vídeo.

http://www.act.gov.pt/(pt-PT)/Itens/Noticias/Documents/pictogramas_final.pdf

 

O objetivo deste vídeo é chamar a atenção para a importância da “leitura” dos  rótulos dos produtos químicos. Após uma explosiva cena de abertura, seis sequências mostram primeiro a acção incorrecta e respectivas consequências graves, e depois a ação correcta através do cumprimento das instruções de segurança.

 

 

atencao

EB 1/ JI dos Ribeiros, 1ºC

Prof.ª Sandra Leitão

Sabonetes perfumados!

Quais os hábitos que devemos ter para sermos saudáveis?

O que são regras de higiene? Porque será importante a higiene pessoal?

Estas foram as questões colocadas pela professora Guida e que serviram de mote a mais uma atividade cheia de aventura, que terminou com a elaboração de um pequeno e cheiroso “sabonete perfumado” e um concurso.   12 11

Foi o máximo! A professora Guida começou então por falar sobre a saúde e percebemos que para sermos saudáveis precisamos de ter hábitos saudáveis:

  1. Fazer uma alimentação variada e equilibrada.frutas
  2. Evitar comer doces e alimentos com excesso de sal e de gordura. 
  3. Beber água e evitar os refrigerantes.
  4. Lavar bem os alimentos que comemos crus, por exemplo a fruta.
  5. Praticar exercício físico regularmente.volei
  6. Ter regras de higiene pessoal:
    1. Tomar banho diariamente.
    2. Lavar os dentes após as refeições.
    3. Lavar as mãos antes das refeições, depois de ir ao wc, depois de brincar com os animais, depois de brincar no recreio, quando tossimos para a mão (ou seja quando nos enganamos e tossimos para a mão em vez de ser para o braço) e, claro, lavar as mãos sempre que seja necessário.1-53
    4. Pentear o cabelo.
    5. Cortar as unhas.
    6. Vestir roupa limpa e confortável e o caçado também deve confortável.
  7. Dormir o número de horas suficientes por noite.
  8. Ter uma postura correta, ou seja, devemos andar e estar sentados com as costas direitas.
  9. As vacinas servem para nos proteger de doenças. Assim, o boletim de vacinas deve estar sempre em dia.
  10. Ir ao pediatra, ao dentista e ao oftalmologista com regularidade.
  11. E brincar!

De seguida, fizemos um sabonete perfumado, com glicerina (sólida), corante e essência perfumada.

No final da aula, a professora fez um concurso com perguntas (sobre os hábitos a ter para ser saudável) e todos respondemos acertadamente! Como recompensa todos levámos para casa um pequenino e cheiroso sabonete!

 

As fotos da atividade:

 

Este slideshow necessita de JavaScript.

1ºano, EB1/JI de Carquejido

Sensações! (parte 2)

 

Nas aulas dos Pequenos Cientistas Sanjoanenses temos vindo a apurar os nossos sentidos, tais como a visão, o tato, o paladar e o olfato.

Nesta, sentimos o sabor de vários alimentos e aprendemos que o paladar se sente porque temos papilas gustativas na nossa língua. Dependendo do local da língua, as papilas gustativas permitem-nos sentir diferentes sabores, tais como o salgado,  o doce, o ácido e o amargo.497608250

Mas, este sentido que nos permite saborear os alimentos não atua sozinho. O paladar é o resultado de uma parceria entre o nariz e a língua. Quando comemos uma maçã as papilas gustativas reconhecem o sabor doce e, ao mesmo tempo, moléculas odoríficas voláteis viajam até ao nariz. O cérebro junta todas as informações e daí resulta o paladar, neste caso da maçã.

Já reparaste que quando estás constipado, com o nariz entupido a comida não tem o mesmo sabor? Falta o olfato para conseguires sentir o sabor.

E, já te aconteceu sentires o cheiro de um alimento que adoras e começares a salivar? É o organismo a pedir para a pessoa comer! A saliva dissolve os alimentos depois de mastigados e é também uma grande ajuda na tarefa de saborear!

Na nossa aula fechámos os olhos e sentimos o sabor de diferentes alimentos, batata frita, limão, cevada e chocolate. Após cada prova identificámos, num modelo de uma língua, o local onde estão as papilas gustativas responsáveis pelo sabor sentido.

221

De seguida, foi a vez de o nariz entrar em ação, cheirámos quatro frasquinhos com cheiros diferentes: vinagre, perfume, orégãos e álcool etílico.

Adorámos esta aula e não chegámos a acordo quanto ao sabor ou cheiro favorito porque afinal “gostos não se discutem”.

 

 

Este slideshow necessita de JavaScript.

 

1º ano, EB 1/JI Parrinho

Professora Filipa Rosário

Sensações! (parte 1)

1

No início da nossa aula de Ciências relembrámos o que aprendemos na atividade anterior, ou seja, que as cores primárias são o amarelo, azul ciano e magenta e que elas existem sem a mistura de outras cores. Aprendemos, também, que misturando duas cores primárias obtemos uma cor secundária. Assim, as cores secundárias são o laranja (amarelo e magenta), verde (azul ciano e amarelo) e violeta (azul ciano e magenta).

Depois, realizámos duas atividades: na primeira fizemos o jogo das sensações e na segunda confecionámos plasticina brilhante.

A professora Guida distribuiu vários objetos: novelo de lã, pedaço de madeira, banana e uma laranja. Todos manuseámos os objetos e descobrimos diferentes sensações: macio, rugoso, liso, frio, quente, duro e mole. Esta tarefa terminou com a colagem de autocolantes no nosso manual de Estudo do Meio.

De seguida, fizemos plasticina brilhante!

Para a confecionarmos utilizámos os seguintes ingredientes: farinha, água quente, sal, óleo alimentar, corante alimentar e purpurinas. Primeiro medimos 8 copos de farinha e deitámos numa bacia, depois adicionámos 3 copos de sal e mexemos. Juntámos 4 colheres de sopa de óleo alimentar, algumas gotas de corante alimentar e 2 copos de água bem quente. Temos de vos dizer que foi a professora a colocar a água quente, pois só os adultos o podem fazer. Por fim, amassámos, juntámos as purpurinas e voltámos a amassar. E, eis que chegou o momento pelo qual todos esperavam, o bocadinho de plasticina brilhante para brincar. A plasticina estava quentinha, era mole e macia. Guardámo-la num saco de plástico para ela se manter muito manuseável e para podermos reutilizá-la vezes sem conta e não endurecer!

No final da aula fizemos um desenho da experiência e encontrámos o caminho para a plasticina num labirinto.

Este slideshow necessita de JavaScript.

1º ano, EB 1 Fundo de Vila

Professora Laura Ferreira

Sementes Mágicas!

Olá amigos!

Somos os pequenos cientistas do 1ºA, da escola EB1 Conde Dias Garcia, e vamos contar o que aprendemos na última aula de ciências.31908373-happy-cartoon-kids-spring-activities

Tal como os animais, também as plantas são seres vivos, pois nascem, crescem, vivem, reproduzem-se e morrem. Assim, a cientista Ana começou por nos ensinar que um planta completa é constituída por raiz, caule, folha, flor e fruto. 

Para ficarmos a conhecer melhor o Reino das Plantas fomos desafiados a realizar as seguintes experiências:

Experiência nº 1:

“Conhecem alguma semente? Será que as sementes são todas iguais?”

Para encontrarmos a resposta a estas questões formamos conjuntos de sementes tendo em conta a cor, o tamanho, a forma e a textura de cada uma.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Concluímos que:

As sementes apresentam cor, tamanho, forma e textura diferentes.

Experiência nº 2:

“De que precisam as sementes (feijões) para germinar?”

Precisámos de:

  • 4 Vasos
  • 12 Feijões
  • Água
  • Terra para jardim

Como fizemos:

  1. Colocámos a mesma quantidade de terra nos quatro vasos.
  2. Identificámos os vasos com as letras A, B, C e D.
  3. Colocámos em cada vasos 3 feijões, à mesma profundidade.
  4. Adicionámos um pouco de água nos vasos B, C e D.
  5. Colocámos os vasos A, B e C junto à janela da  nossa sala.
  6. Colocámos o vaso D num local escuro.

A nossa previsão:

previsão

 

Este slideshow necessita de JavaScript.

O que verificámos:

collage5

resultados1

 

O que concluímos:

As sementes dos vasos B, C e D  germinaram.

As sementes do vaso A não germinou por falta de água.

Para germinarem, as sementes precisam apenas de água.

Experiência nº 3:

“Será que é possível encontrar cravos azuis?”

Precisámos de:

  • 3 Cravos brancos
  • 3 Garrafas de plástico vazias
  • Água
  • 3 Corantes alimentares, de cor azul, verde e vermelho.

Como fizemos:

  1. Colocámos um pouco de água e algumas gotas de corante, com o objetivo de a água ficar muito colorida.
  2. Colocámos um cravo branco em cada uma das garrafas.

Este slideshow necessita de JavaScript.

O que verificámos:

collage4

Concluímos que:

Dentro do caule das flores existem tubos fininhos que as ajudam a sugar a água. Quando colocamos uma flor dentro de água, esta é puxada para o interior desses tubos. À medida que a água sobe, vai puxando mais água do fundo. As nervuras das pétalas destas flores vão mudando à medida que a água chega até elas e vão ficando cada vez mais coloridas à medida que recebem mais água.

Experiência nº 4:

“Como ficarão as folhas de alho-francês se juntar açúcar à água?”

Precisámos de:

  • Algumas folhas de alho-francês
  • 2 Copos com água até meio
  • Açúcar
  • Uma colher

Como fizemos:

  1. Identificámos os copos com A e B.
  2. Juntámos 4 colheres (de sopa) de açúcar no copo A.
  3. Misturámos bem até se dissolver todo o açúcar .
  4. Colocámos duas ou três folhas de alho-francês em cada copo.
  5. No dia seguinte, provámos um pedaço das folhas que estiveram no copo A e outro pedaço das que estiveram no copo B.

A nossa previsão:

As folhas do copo A têm um sabor doce e as do copo B, amargo.

 

Este slideshow necessita de JavaScript.

O que verificámos:

collage3

  • As folhas do alho-francês que se encontravam no copo A ficaram doces.
  • As folhas do alho-francês que se encontravam no copo B continuaram amargas.

Conclusão:

As folhas do alho-francês ficam doces se adicionarmos açúcar à água. 

 

Escola EB1 Conde Dias Garcia

Professora Isabel Abelheira

 

Os animais

Olá Cientistas!

Nós somos os alunos do 1º ano, da escola E.B.1 de Carquejido, e queremos partilhar convosco o que fizemos na aula de ciências.

No dia 4 de maio, a cientista Ana trouxe para a nossa aula um tema que nós adoramos: “Os animais”.

Começamos por agrupar os animais em:

Domésticos: como o cão, o gato, canário, coelho e os peixes, pois vivem perto das pessoas, em casa ou nas quintas. Estes animais fazem companhia e podem fornecer alimento (ovos, carne, leite).

Selvagens: como o leão, o tubarão e a águia, pois vivem na selva.

collage90 

De seguida agrupamos os animais segundo o local onde vivem e o modo como se deslocam:

Na terra: como o cão e o gato, deslocando-se a caminhar.

Na água: como o tubarão e o peixe palhaço, deslocando-se a nadar.

No ar: como o canário e a águia, deslocando-se a voar.

collage91

Por fim, classificamos os animais segundo o revestimento do corpo.

Há animais que estão cobertos por pele:

nua: os anfíbios, como as rãs.

com pelos: os mamíferos, como o elefante.

com escamas: os répteis e peixes, como a iguana e o tubarão.

com penas: as aves, como a águia.

collage92

Descobrimos, ainda, que todos os animais nascem de ovos, exceto os mamíferos, como o cão, o gato, a baleia que nascem do ventre da mãe.

Concluímos que:

Os animais são seres vivos porque nascem, crescem, respiram, alimentam-se, reproduzem-se e morrem.

Por fim, fizemos comedouros para os passarinhos da nossa escola e penduramos nalgumas árvores.

collage95

Precisamos, então, de:

– sementes, água quente, bacia, gelatina neutra, colher metálica, rolo de papel, papel de alumínio, palitos, fio e formas de biscoitos.

Como fizemos:

  1. Aquecemos a água no fervedor e adicionámos à gelatina na bacia. Seguidamente, adicionámos as sementes e mexemos muito bem.
  2. Colocámos a mistura na forma, previamente forrada com papel de alumínio, e no centro colocámos um palito.
  3. Deixámos solidificar à temperatura ambiente. Desenformámos, cuidadosamente, as sementes com gelatina.
  4. Retirámos o palito e passamos um fio pelo buraquinho que lá ficou. 

Este slideshow necessita de JavaScript.

Foi uma aula muito divertida. ADORAMOS!

1ºA – Escola EB1 de Carquejido

Professora Carla Figueiredo

O tempo que faz!

Começamos a aula a falar sobre as estações do ano e das suas características. Seguidamente a professora de ciências colocou a seguinte questão:

“Como conseguimos manter um boneco de neve (gelo) durante mais tempo?”

Material necessário:boneco

  • 5 cubos de gelo iguais;
  • 5 bolsas plásticas com fecho;
  • 1 retângulo de folha de jornal;
  • 1 retângulo de folha de alumínio;
  • 1 retângulo de película aderente ou plástico.
  • 1 retângulo de tecido de lã.

Procedimento:

  1. Colocar os cubos de gelo nas bolsas de plástico e fechá-las.
  2. Com os vários retângulos, cobrir, ao mesmo tempo, as bolsas de plástico. Uma delas fica sem revestimento.
  3. De 5 em 5 minutos verificar como está o gelo.
  4. Esperar até todos os cubos fundirem (derreterem).

1111

Após a realização da experiência chegamos à conclusão de que teríamos de vestir o nosso boneco com lã, só assim é que ele ficaria de “pé” mais tempo, seguindo-se o jornal, a folha de alumínio e por último a película aderente.

Na segunda parte da aula construímos um pluviómetro com um garrafão de água. O pluviómetro é um instrumento que serve para medir a quantidade de chuva que cai numa dada área.

collage56

Com esta aula aprendemos uma das mudanças de estado físico: a fusão!

A nossa aula foi muito bonita e interessante.

 

Este slideshow necessita de JavaScript.

 

1ºB – Escola EB1 de Casaldelo

Professora Salomé

%d bloggers like this: