Experimentando com água…..

A água, de acordo com alterações da temperatura e/ou pressão do meio, pode mudar de estado físico. Cada mudança do estado da água tem uma designação.passsagem-estado-fisicos-da-agua

Na natureza, a água está em permanente movimento. Por ação do sol, a temperatura sofre alterações, e a água vai continuamente mudando de estado físico. Passa, na forma de vapor, dos rios, mares e lagos para a atmosfera, e daqui, retorna no estado líquido ou sólido , para a superfície da terra. Ao percurso da água dá-se o nome de ciclo da água.

ciclo-de-agua

A água na superfície do nosso planeta encontra-se à superfície (nos mares , rios , lagos, etc. ), no subsolo e na atmosfera. A água subterrânea  tem origem na água da chuva que se infiltra nas camadas permeáveis do solo e acumula-se nas zonas mais profundas sobre uma camada impermeável  formando um lençol de água. Os lençóis de água, por sua vez, podem fornecer nascentes  naturais ou fontes e /ou ser extraída pelo homem através de poços, furos ou minas.

Na primeira parte da nossa aula realizámos uma experiência em que simulámos a formação de um lençol de água.  Num recipiente transparente com uma camada de  barro no fundo mais larga de um lado do que de outro colocou-se uma camada de terra e uma de areia. De seguida vertemos água  sobre a areia.

Verificámos que a água atravessou a terra (camada permeável), deslizou para a zona mais profunda e acumulou-se em cima do barro (camada impermeável).

Concluímos que na experiência  a água teve o mesmo comportamento que na natureza aquando da formação dos lençóis de água ou lençóis freáticos.

Desde sempre o homem procurou viver perto da água, porque percebeu, como ela é indispensável à vida. Por isso, aprendeu a conduzi-la até suas casas através de tubos que comunicam entre si. Este tipo de transporte baseia-se no princípio dos vasos comunicantes. Este diz que quando um líquido é colocado em recipientes que comunicam entre si, desloca-se de um lado para o outro até ficar ao mesmo nível nos dois.

Na segunda parte da aula realizámos duas experiências que permitiram compreender este princípio. Na primeira verificamos como se movimentava a água em duas garrafas do mesmo tamanho , ligadas entre si por um tubo. Na segunda experiência com a ajuda de um garrafão e de um tubo fizemos um repuxo.

Da primeira experiência concluímos que em vasos que comunicam entre si, o nível de líquido fica igual.

Na segunda experiência concluímos que o tamanho do repuxo depende da altura a que está a mangueira, ou seja, quanto mais baixa estiver a mangueira maior será o repuxo.

Mais um dia “cientificabulasto” sobre a formação de lençóis de água subterrâneos  e o princípio dos vasos comunicantes que, com tanta água que foi usada, nos fez lembrar uma música de Beatriz Costa. Aqui deixamos uma parte da letra:

Água fria, da ribeira,
Água fria que o sol aqueceu,
Ver a aldeia, traz a ideia,
Roupa branca que a gente estendeu.

Sete fronhas, um lençol,
Três camisas do enxoval,
Que a freguesa deu ao rol.

Realizado por: Turma 4º C da Escola EB1 do Espadanal
%d bloggers like this: