Feira da Ciência… trabalho sobre a água

Olá amigos das Ciênciasdrop_t

Nós, os meninos e meninas do grupo C do Jardim de Infância do Parrinho, participámos, mais uma vez, este ano letivo, na Feira da Ciência com o tema da água.

Gostámos muito de todas as experiências que fizemos e de ver o filme do Alberto.

No filme, o Alberto ensinou-nos muitas coisas sobre a importância da água, como é necessário pouparmos a água e como devemos ter cuidado para não a poluir, pois sem água não haverá vida.

Na nossa sala já tínhamos falado sobre o ciclo da água e da sua importância para a nossa vida.

Mas, depois de termos visto o filme do Alberto, trabalhámos mais este tema e fizemos um móbil com a nossa gota amiga, da qual caem gotas com mensagens  de sensibilização para a poupança e preservação da água…

SAM_0827          SAM_0831

Aqui estão as mais pequeninas a preparar a nossa amiga gota de água. SAM_0787

Olhem como ficou tão bonito, esperamos que gostem …

SAM_0797

Anúncios

Magia colorida!

Nos dias 4 e 5 de Fevereiro com a professora Guida fizemos uma experiência muito engraçada.imagem1

Usámos leite gordo, corante alimentar (vermelho, verde, azul e amarelo) e detergente da loiça.

Num prato colocou-se o leite e as diversas cores de corante, com um cotonete embebido de detergente mergulhou-se no leite. O detergente ao reagir com o leite ia absorvendo a gordura e as cores iam-se misturando dando um efeito de ondas.

Para consolidar a experiência fez-se um registo misturando as quatro cores até resultar uma cor uniforme.

Espreitem as fotos:

Explicação:

A olho nu, o leite é uma mistura homogénea mas, vendo o leite através de um microscópio, vêem-se minúsculas gotículas de gordura suspensas em água.
Inicialmente, o corante não se mistura com o leite devido à existência da tensão superficial (é a propriedade que um líquido possui de manter as moléculas unidas na sua superfície) deste mas, quando se adiciona detergente, essa tensão superficial deixa de existir, pois este tem a capacidade de interagir tanto com a gordura do leite como com a água. Depois de quebrada a tensão superficial, o corante espalha-se e liga-se à água. O movimento das moléculas a reorganizarem-se cria um efeito de rodopio de cores!

As crianças do Jardim de infância do Parrinho

Experiências com eletricidade II

No dia 6 de fevereiro, a nossa professora de Ciências trouxe-nos mais experiências, e desta vez relacionadas com a eletricidade. A primeira chamava-se “Relógio de batata” e foram necessários:

– 2 metades de batata ou fruta ou líquidos diferentes;

– lâminas de metal (zinco e cobre);

– fios condutores;

– relógio digital;

Ligámos as lâminas de metal ao relógio através de fios condutores. Assim que espetámos duas lâminas diferentes em cada metade da batata, fizemos o relógio funcionar, gerando-se eletricidade. Ficámos a saber que este fato deve-se ao fluxo de pequenas partículas (iões) que surgem por reação ao ácido fosfórico presente na batata e os elétrodos dos metais.

A segunda experiência, “Testa os teus nervos”, baseava-se em estabelecer um circuito através de um pequeno jogo, que consistia em fazer um pequeno percurso por um fio em ziguezague, usando um aro. Assim que tocávamos no fio, ouvíamos o zumbido da campainha, ficando provado que a eletricidade é capaz de fluir, pois os fios estavam ligados num circuito elétrico a ambos os lados de uma pilha. Todos tentámos o jogo e foi bastante divertido, pois tínhamos que estar bastantes concentrados senão voltávamos ao início.

Gostámos muito desta aula!

 Turma do 4º Ano da Escola Eb1/JI de Carquejido

Os meios de transporte

Image

 Quando precisamos de nos deslocar de um lugar para outro e as distâncias que temos são grandes utilizamos os meios de transporte.

Há transportes mais rápidos e outros mais lentos, uns servem para transportar pessoas e outros para transportar mercadorias e não se deslocam todos na mesma via.

Existem, ainda, os meios de transporte privados e os meios de transporte públicos de acordo com quem os usa.

Os meios de transporte podem agrupar-se de acordo com o meio onde se deslocam. Assim, temos.

13

Os meios de transporte podem agrupar-se de acordo com aquilo que transportam. Logo, temos:

14

Podemos, também, agrupar os meios de transporte de acordo com quem os usa. Assim, temos:

16

Este foi o tema da nossa quinta aula de ciências com a cientista Ana. Depois de uma breve introdução sobre o tema, a cientista Ana colocou-nos a seguinte pergunta:

” O tamanho da vela fará diferença na rapidez com que os barcos se deslocam?”

As nossas respostas foram muito variadas, pois alguns de nós achávamos que o tamanho das velas não faria qualquer diferença, enquanto que outros achávamos que sim. Então, a cientista Ana propôs-nos a realização da seguinte atividade experimental:

*Material: 2 barcos em miniatura iguais, tesoura, fita-cola, bacia, água, secador ou ventoinha.

*Procedimento:

1 – Pegamos nos dois barcos e, num deles, tiramos a vela e cortamos ao meio.

2 – Prendemos de novo a vela ao barco, com fita-cola, na parte superior do mastro.

3 – Colocámos os dois barcos, lado a lado, numa bacia com água.

4 – Para colocarmos os dois barcos em movimento, usamos um secador de cabelo, com a ajuda da cientista.

Sabem o que aconteceu?! 

O barco com a vela grande foi o mais rápido!

Achámos esta experiência muito interessante e todos aprendemos algo novo. Alguns de nós pensávamos que o barco que seria mais rápido era o barco com a vela pequena, uma vez que este é mais leve. Assim, observamos que o barco com a vela grande é o mais rápido, pois a área de superfície da vela é muito maior, e o vento empurra mais o barco.

Quando pensávamos que a aula estava a terminar, a cientista Ana , surpreendeu-nos com mais uma pergunta:

“Sabem como funciona um avião a jato?”

Como a maioria de nós não sabia, a cientista Ana, propôs que terminássemos a aula com mais uma experiência! 

*Material: 1 balão, uma palhinha de plástico, fita-cola, fio com 5 metros e papel.

*Procedimento:

1 – Passámos um fio pelo interior da palhinha.

2 – Atámos uma das pontas do fio a uma perna de uma cadeira e a outra a um local elevado.

3 – Fizemos um avião de papel e colocámos na parte superior da palhinha.

4 – Enchemos um balão com ar e apertamos a sua abertura com os dedos.

5 – Prendemos o balão à palhinha com fita-cola, na parte de baixo, de modo a ficar com a abertura virada para a parte de baixo.

 Mais uma vez, adoramos a aula de ciências, pois aprendemos de forma divertida os meios de transporte!!

Alunos do 2º ano – EB1/JI de Casaldelo

                                                                                                                                                                  Professora Alexandra

Experiências com eletricidade I

A eletricidade é uma tecnologia que mudou profundamente a maneira de viver do ser humano. É difícil imaginar como viveríamos sem a eletricidade. Todos os aparelhos desde a lâmpada, o aquecedor, o frigorífico, a televisão fazem parte de nossa vida. A principal fonte de energia elétrica para fazer funcionar esses equipamentos é a central hidrelétrica, mas existem muitas outras. As pilhas e as baterias são também fontes de energia elétrica bastante usadas em nosso dia a dia. Há 100 anos, a eletricidade não era usada. Nessa época a maioria da população vivia num meio rural e as atividades produtivas estavam centradas na agricultura. A comunicação entre as pessoas era lenta, através de mensageiros que se deslocavam a pé, a cavalo ou por barco. A iluminação era feita com a queima de óleos. A invenção do gerador de energia elétrica veio alterar totalmente o modo de vida.

A invenção do telefone tornou possível a comunicação a longa distância com rapidez. A invenção da lâmpada elétrica melhorou a qualidade de vida e possibilitou o trabalho noturno. O motor elétrico modificou e ampliou as indústrias e os transportes. O gira-discos, o rádio e a televisão transformaram o laser e a comunicação. Em resumo, a eletricidade revolucionou por completo o modo de vida do ser humano em todos os aspetos, melhorando sua qualidade de vida.

 Escola EB1/JIFundo de Vila, turmas 4º A e B

%d bloggers like this: